Quais as opções para melhorar o ensino?

Loading...

A educação transforma a sociedade?

O salário dos professores é bom?

Compartilhem conosco essa alegria de ensinar!!!



quinta-feira, 20 de maio de 2010

O que querem nossos estudantes?

“Os trabalhos de estudante são provas para o carácter, e não para a
inteligência. Seja ortografia, versão ou cálculo, trata-se de aprender a
querer” (Alain).

Nós, os que fazemos e sofremos a educação superior, sabemos o quanto está desafiadora a tarefa de contribuirmos para a formação do carácter, da inteligência e do aprender a querer em nossos estudantes.

Sou de uma época em que o conhecimento não se prestava só à aquisição de um certificado. O conhecimento deveria servir para consubstanciar a construção de um projecto de nação para o Brasil, de um modelo societário digno da estatura humana.

Outra motivação que tínhamos quando aspirávamos ao saber ligava-se ao desejo de formação pessoal, centrada no anseio por um estilo existencial que fosse interessante e consequente. Nesse processo, liberdade, justiça e responsabilidade eram os valores que nos guiavam quando íamos aos bancos universitários e abríamos os ouvidos a aulas de quem se postava à nossa frente no desempenho dos papéis de mestres e orientadores. Em outras palavras, em vez de certificação, perseguíamos formação.

Hoje, contudo, as coisas parecem às avessas. A corrida estrábico à caça de certificados, quais senhas de acesso ao celebrado templo do Deus “mercado de trabalho”, parece estar confundindo nossos estudantes e embotando-lhes o espírito.
Suspeito que as ondas gigantescas que se desenvolvem desde os primórdios da Modernidade ocidental e que se configuram no antropocentrismo e no individualismo estejam cerrando nossos estudantes neles mesmos. Cruel ideologia essa que expropria cidadãos, em geral, e académicos, em particular, da noção ampliada sobre o que seja a vida. Indiviso em si mesmos, mas cindidos no cerne do próprio ser, o que lhes falta é aquele senso de responsabilidade social, o qual se associa à noção de coisa pública e de bem comum, a dimensão com partilhada da vida em sociedade.

O imperativo de agora parece ser o do olho no próprio umbigo a todo custo, mesmo que a obtusidade dessa atitude promova tropeções quando o lado colectivo da vida em sociedade lhes pede cidadania orgânica e solidária desde uma dimensão antropológica mais profunda.

Por conta dessa nova onda, a do êxito individual a ferro e fogo, certa ética do vale-tudo inunda nossas salas de aula. Os indicativos dessa ética podem ser vistos quando a lei do menor esforço, a regra da vontade zero e o princípio do comprometimento nulo são evocados para que a acusação de que “o professor está muito exigente” apareça nas bocas universitárias.

Se é que podemos concordar com Kant quando ele afirma que “O homem é aquilo que a educação faz dele”, então podemos indagar: quem essa educação certificadora está formando? Que homem e que mulher iremos encontrar no período pós-universidade, quando homens e mulheres certificados tiverem o Brasil nas mãos? Será que o recrudescimento da norma do “cada um por si” e da regra de “toda e qualquer vantagem em tudo e a qualquer preço” é que prevalecerão soberanas sobre nossas cabeças?

Essas questões são sérias demais para que só o mercado as resolva. De nossa parte, talvez seja hora de centrarmos força no papel da boa formação. Mas... será isso o que querem nossos estudantes?


Atenciosamente,
Professora Elise Cristina

Por Wilson Correia*
Colunista

Tecnologia e Metodologia

Uma das maiores questões do uso da Tecnologia e Metodologia em Educação, num vídeo criativo que diz tudo, ou quase tudo.


video





Atenciosamente,
Professora Amanda

Fonte: http://joserosafilho.wordpress.com/2008/05/24/tecnologia-e-metodologia/

NATIVO DIGITAL

video




Um nativo digital é aquele que nasceu e cresceu com as tecnologias digitais presentes em sua vivência. Tecnologias como videogames, Internet, telefone celular, MP3, iPod, etc. Caracterizam-se principalmente por não necessitar do uso de papel nas tarefas com o computador.

No sentido mais amplo, refere-se a pessoas nascidas a partir da década de 1970 e mais tarde, na Era da Informação que teve início nesta década. Geralmente, o termo foca sobre aqueles que cresceram com a tecnologia do século 21.

Este termo têm sido aplicado em contextos como a educação, relacionado ao termo Aprendizes do Novo Milênio.



Atenciosamente,
Professora Amanda Gaspar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

terça-feira, 18 de maio de 2010

NOTÍCIA: Olimpíada da língua portuguesa, Atrai alunos e professores.

A Olimpíada da Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro, que ocorre a cada dois anos, está na segunda edição. O objetivo é contribuir para a formação de professores com vistas à melhoria do ensino da leitura e escrita nas escolas públicas brasileiras. As inscrições estão abertas até 7 de junho.

A primeira olimpíada, realizada em 2008, alcançou 6 milhões de alunos. O concurso teve origem no programa Escrevendo o Futuro, desenvolvido pela Fundação Itaú Social entre 2002 e 2006. Atualmente, é realizado em parceria do Ministério da Educação com a Fundação Itaú Social e o Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec).

Na edição de 2008, o número de professores inscritos chegou a 202.280. Eles representaram 55.570 escolas de 5.445 municípios. Em Mato Grosso do Sul, o total de escolas inscritas foi de 764. Chegaram à etapa semifinal dez professores sul-mato-grossenses, cada um com um aluno.